MenuBarLayout

O impacto da alteração climática na Indústria Alimentar


Mudanças no clima, como condições climáticas extremas, estão a influenciar diretamente a cadeia de oferta e procura, com um impacto significativo na produção de alimentos. A indústria alimentar deverá ver estas alterações dependendo de quão estas mudanças se façam sentir. Se a mudança for gradual, o clima sociopolítico e económico terá tempo para se adaptar. Mas em algumas áreas, até mesmo uma leve mudança de temperatura pode ter efeitos devastadores na agricultura, silvicultura e biodiversidade.

Agroalimentos - Colheitas e agricultura suscetíveis às mudanças de temperatura

As colheitas são extremamente sensíveis às mudanças de temperatura. Como as colheitas florescem ou frutificam, estão sujeitas a alterações, especialmente se estiverem expostas a mudanças de temperatura. Quando essas mudanças acontecem, uma colheita de verão pode reduzir significativamente. Algumas colheitas, como batatas, soja, arroz, milho e trigo, têm estações de crescimento e temperaturas ideais. Quaisquer alterações nesses ambientes e a colheita de produção falhará.

Crescimento das culturas - Chuva e irrigação para influenciar o crescimento das culturas

A água é talvez o fator mais limitador no crescimento de culturas em todo o mundo. A quantidade certa de água é fundamental para o cultivo, especialmente de frutas. Muitas culturas do mundo são irrigadas artificialmente, resultando em grande quantidade de combustível fóssil. Para irrigar um hectare de milho abastecendo-se de água, é necessário o dobro da energia, caso a mesma cultura fosse regada pela chuva.

Danos causados por radiação de plantas e animais - Raios ultravioletas danificam plantas e animais

Lançamentos de gás CO2 diminuíram a camada protetora de ozono do nosso planeta. Em média, cada 1% de redução da camada de ozono leva a um aumento de 2% na radiação ultravioleta. Tanto as culturas como os animais são altamente suscetíveis a danos por radiação. Para colocar isto em perspectiva, uma redução de 25% na camada de ozono poderia reduzir a produção de soja em 20%.

Pão e pastelaria - Aumento de CO2 e diminuição do valor nutricional

Houve um aumento de CO2 na atmosfera nos últimos 60 anos. Níveis mais altos de dióxido de carbono na atmosfera poderiam aumentar a fotossíntese, o principal componente no crescimento das plantas, tornando as plantas maiores e a conter mais carboidratos. O pão e os produtos de pastelaria são a base de inúmeras dietas em todo o mundo. Mas enquanto algumas plantas (grãos como soja e trigo) beneficiam de níveis altos de dióxido de carbono, alguns não (milho). Infelizmente, estudos mostraram uma diminuição significativa nos valores nutricionais e na saúde de culturas ou plantas criadas sob altos níveis de CO2. Assim, espera-se que o conteúdo nutricional dos alimentos diminua, à medida que os níveis de CO2 aumentam, afetando a nossa saúde como população.

Agricultura - Insetos, pragas, ervas daninhas e doenças das culturas estão em ascensão

Como os níveis de temperatura aumentam em todo o mundo, o mesmo acontece com a população de insetos, especialmente pragas. As pragas multiplicam-se e prosperam em ambientes quentes e húmidos, aumentando as suas taxas de reprodução em África e nos Estados Unidos. Este insetos atacarão depois as colheitas e aumentarão as perdas das colheitas. Dependendo da cultura, um aumento de até 25% no dano pode ser causado por pragas. As ervas daninhas são outro problema que pode afetar a agricultura. Como as ervas daninhas e outras pragas de plantas são mais resistentes às mudanças climáticas, elas prosperam e lutam pela humidade, obtendo melhor exposição, nutrientes e luz. O lado positivo é que, os insetos são agora mais comumente usados na criação de fontes alternativas de proteína.

Abelhas - Desequilíbrio do ciclo natural

Plantas e abelhas evoluíram juntas, tornando as abelhas extremamente importantes para a saúde do planeta. Mudanças climáticas recentes estão a influenciar o florescimento e o ciclo de polinização. As várias espécies de abelhas são os polinizadores mais importantes da agricultura e das plantas selvagens. Acredita-se que os pesticidas, ácaros, produtos químicos e mudanças de temperatura estejam ligados ao grande número de colónias de abelhas que estão a morrer.

Colheitas - Mudanças no rendimento das colheitas precisam de se adaptar às condições climáticas

Mudanças no clima, como temperatura, humidade, pragas, ervas daninhas, doenças e aumento de CO2, reduzirão a produção de alimentos em todo o mundo. As culturas, como arroz, trigo e milho, terão um declínio ao reagir ao aumento das temperaturas globais. Para acompanhar essas mudanças, os agricultores precisam de adaptar e mudar o crescimento das suas culturas consoante as condições sazonais.

Peixe - Um oceano mais quente e mais ácido, o impacto na população de peixes

O peixe é uma das fontes de proteína mais consumidas no mundo. As águas oceânicas têm absorvido constantemente o excesso de calor retido pelas emissões de gases de efeito estufa. Como as temperaturas estão a subir, hoje, os oceanos estão mais quentes do que nunca, desde que os registos começaram em 1880. Devido a este aumento na temperatura da água, a pesca é afetada. As águas mais quentes alteram o tempo de migração e reprodução dos peixes, incluindo o seu metabolismo, o que os faz absorver mais mercúrio (consequência dos combustíveis fósseis que são despejados nas águas). Isto também influencia o aumento da acidez da água salgada (única fonte de água potável).

Carne - Consumidores tornaram-se uma consequência climática

A pecuária é uma das principais fontes mundiais de poluição do planeta, com a sua produção a representar 51% das emissões de GEE. Cada relatório climático leva à mesma conclusão: reduzir a ingestão de carne pode trazer uma mudança significativa no planeta. Além disso, a desflorestação para fins agrícolas tem levado à extinção em massa da biodiversidade. Não só, a cultura de alto consumo de carne, acelera a mudança climática, como também afeta a nossa saúde.

Açúcar e doces - Óleo de palma e cana-de-açúcar

A mudança do consumidor para alternativas ao açúcar está a mudar a indústria de doces e a quantidade de xarope de milho, açúcar de palma e cana de açúcar que é produzida. Os produtores de doces precisam de mudar as suas cadeias para atender a uma fonte mais sustentável.

A inovação é o principal meio para se combater os efeitos das mudanças climáticas. Desde robôs e satélites, previsões do tempo, de processos de negócio a aspetos organizacionais, inovação e acesso a avanços tecnológicos tem o potencial de aproximar as empresas alimentares de um futuro sustentável.

Fonte: Foodware 365